segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Amiga

Fazia quase 6 meses que eu não a via.
Quando senti sua presença, há 4 dias, meu coração disparou mais forte. Quase não acreditei que ela havia, finalmente, voltado.
No inicio fiquei paralisada. Observava seus movimentos, sua dança, sentia o seu cheiro. A maneira que ela tocava os objetos, as pessoas. Algumas sentiam-se incomodadas com sua presença, esquecendo-se de sua beleza. Outras rendiam-se ao seu feitiço. E eu percebi que era isso mesmo que ela queria. Que todos notassem sua presença, com alegria e emoção. Mas nem sempre é assim.
Eu a saudei com meus olhos, com meu corpo. E principalmente com minha alma.
Conforme os dias iam se passando, começaram a cansar-se de sua presença. Mesmo aqueles que, de início, entraram em sua dança. Outros, que por meses clamaram a Deus para que ela voltasse, depois de dois dias já não aguentavam mais sua companhia. "Preciso trabalhar, preciso sair". "Hoje tenho uma festa. Quando você vai embora?" passaram a ser as frases mais ouvidas por ela.
E depois de um fim de semana inteiro, eu ainda não me cansei de sua presença. Na verdade, jamais me cansarei. Você me renova, me faz sentir o ar, a vida e da natureza tão bonita, que tão pouco se nota.
Eu a amo, mesmo com todos os seus "amantes". 
Obrigada por voltar, chuva.