domingo, 25 de março de 2012

Pra um cara doido, que eu conheci um dia:

Então, cara. Você podia me dizer qual é a sua né?
Tipo, só pra saber. Porque, problemas eu já tenho muitos, e realmente não quero que você se torne mais um.
Também não quero que você os resolva. Mas um problema a mais? Aí não né colega.

Eu gosto de você. Sério, gosto mesmo. 
Nem adianta tentar esconder isso, fica evidente na minha cara besta, toda quase nunca vez que a gente se vê. 
E eu gosto de te abraçar, te beijar. E principalmente, de conversar. Ficaria horas, só te ouvindo falar. 

Mas daí, quando eu te mando uma mensagem e você fica dias sem responder, eu piro. 
Já não sou mentalmente equilibrada, e você dá esses foras. Poxa cara, e tu ainda quer que eu pare de tomar meus remédios? Assim não dá! 

Sabe o que parece? Que quando você não tem nada melhor pra fazer, resolve mandar um sms sem graça pra tonta aqui. Daí, ela, muito tonta que é, jura pra todo mundo que não vai te responder mais. Só que quando ninguém tá olhando, ela pega o celular correndo e te responde na mesma hora. O que acontece? - Você some por mais uns muitos dias. Outra vez. 

Ah cara, eu to cansando disso, sabe. De estar disponível todo fim de semana, e você só lembrar de mim nas últimas horas do domingo. De esperar uma mensagem sem graça durante a semana, que nunca vem. E quando vem, é sempre a mesma história. "Meu celular tava sem bateria, não vi sua mensagem", "Meu celular tava no conserto, só peguei agora", "Desculpa, não pude te responder antes. To com saudades". 
Saudades né, sei. 

Daí, eu tomei uma decisão. Não vou mais te procurar, ficar esperando alguma notícia. 
Não sei se você foge, ou não tem muito tempo mesmo. Não sei nada de você, simplesmente pelo fato de que você nunca me conta nada, não divide nada comigo. 

Cara, eu não to te cobrando uma coisa que você não pode me dar. Jamais faria isso. 
Mas antes de qualquer coisa no mundo, eu queria que nós pudéssemos ser amigos. E que um dia desses eu pudesse te ligar, e você dividir suas coisas comigo. 

Mesmo que isso não inclua os beijos ou os abraços.

Não vou voltar a tomar os remédios. Mas também, o que me aborrece e eu tenho como evitar, não vou ficar rodeando.

Se um dia ler isso, ótimo. 
É, acho que é só.

Nenhum comentário:

Postar um comentário